Comunicação Não-Violenta: uma das soft skill mais procurada pelo mercado de trabalho

Muito além de um bom currículo, quem deseja se destacar no mercado de trabalho precisa ter  algumas habilidades, como a Comunicação Não-Violenta, uma soft skill necessária para quem precisa se relacionar com uma ou mais pessoas em sua profissão.  Essa soft skill também é vantajosa e muito procurada pelos recrutadores por estar ligada ao modo […]
Comunicação Não-Violenta (1)

Muito além de um bom currículo, quem deseja se destacar no mercado de trabalho precisa ter  algumas habilidades, como a Comunicação Não-Violenta, uma soft skill necessária para quem precisa se relacionar com uma ou mais pessoas em sua profissão. 

Essa soft skill também é vantajosa e muito procurada pelos recrutadores por estar ligada ao modo como o profissional irá lidar com as relações intrapessoais.

Conheça mais sobre a Comunicação Não-Violenta e saiba como você pode desenvolver e aplicar essa soft skill.

Comunicação Não-Violenta: um diferencial no mercado de trabalho 

Se  você está em busca de um emprego ou quer se preparar para a grande batalha que é o mercado de trabalho,  é essencial que tenha algumas das habilidades mais desejadas pelos recrutadores. 

Uma delas é a Comunicação Não-Violenta, uma teoria desenvolvida pelo psicólogo Marshall B. Rosenberg, que busca transmitir ao outro ou a si mesmo, um diálogo claro, empático e sem julgamentos. 

Por meio dessa técnica, você irá se comunicar de forma empática, criando uma conexão com o próximo,  onde conseguirá transmitir as suas informações e necessidades e elas terão mais probabilidade de serem aceitas por quem as recebe.  

Líder criando conexão com colaboradores aplicando a Comunicação Não Violenta

Como exemplo podemos pensar em um colaborador de uma empresa irritado com o seu trabalho. Mesmo sem ser  o líder, gestor ou administrador, é interessante que você saiba lidar com o seu colega, principalmente se o seu serviço também depender dele. 

Nesse caso, o que você faria? Segundo a Comunicação Não-Violenta, o ideal seria que houvesse empatia e então, a comunicação, deixando claro que os sentimentos do outro é compreensível e que está disposta a ouvi-lo. 

Para que isso ocorra, Marshall propõe que sejam seguidos, respectivamente, os pilares da Comunicação Não-Violenta: 

  1. observar a situação: o que é que está acontecendo e onde está acontecendo? Busque observar ao seu redor para tentar entender o que levou aquela ou mais pessoas a sentirem como estão se sentindo. 
  1. sentir o que o outro sente: é aqui que entra a  empatia. Após observar e entender o que pode ter acontecido, é o momento de se conectar com a dor do outro. Pode não fazer sentido para você, mas há fatores que afetam algumas pessoas e não outras, justamente por suas crenças, cultura e entendimento de mundo. 
  1. entender o que o outro necessita: o sentimento pode estar escondendo algo ainda mais importante, que é a necessidade que o outro tem e que a falta, faz com que ele se sinta mal. Há uma necessidade que precisa ser sanada. 
  1. fazer o pedido: aqui você já está pronto para se conectar com o outro e se comunicar, mostrando que tem empatia, que entende e que deseja que algo seja feito a esse respeito.

Voltando ao exemplo anterior, aplicando a Comunicação Não-Violenta, você deveria observar o que estaria afetando o seu colega de trabalho, entendendo o que ele realmente estava sentindo naquela situação, analisando o que ele realmente desejaria e que não conseguia se expressar e então, se comunicar,  falando exatamente sobre o que ele então desejava e também, expressando como você está se sentindo. 

Ao mostrar empatia, que entende a dor do outro, você cria uma conexão com o próximo, sendo mais fácil se comunicar e, em muitos casos, influenciar ou fazer com que o outro aceite com mais facilidade o que é solicitado a ele. 

Agora, conhecendo os pilares da Comunicação Não-Violenta, ficou claro por que que essa soft skill é tão procurada pelos recrutadores? 

Como desenvolver a Comunicação Não-Violenta

No primeiro contato com a Comunicação Não-Violenta, é comum achar que essa técnica seja difícil. Mas com prática, é possível desenvolver essa soft skill e aprimorá-la, a ponto de aplicá-la com muita naturalidade. 

O primeiro passo para desenvolver a Comunicação Não-Violenta é conhecê-la. Quanto mais conhecimento dessa técnica você tiver, será mais fácil dominá-la.

Algumas instituições já trazem em sua grade curricular a Comunicação Não-Violenta ou buscam desenvolvê-la durante a graduação, é o caso da Fapuga. Você aprenderá e aprimorará essa soft skill ao decorrer das aulas

Mas é possível ampliar os seus conhecimentos sobre a Comunicação Não-Violenta e estudar a técnica por outros meios. 

Conhecendo mais a Comunicação Não-Violenta

Marshall B. Rosenberg, o criador da técnica, escreveu um livro sobre as suas experiências com a Comunicação Não-Violenta, os pilares do método e a importância de aplicá-la nas relações pessoais e profissionais. 

Pelo livro, é possível ter uma visão aprofundada, técnica e entender os princípios da Comunicação Não-Violenta: comunicar sem julgar. 

De acordo com Marshall, o até de julgar ou expressar erroneamente os seus sentimentos já cria um ruído e afasta o outro de você, complicando a relação. 

“Quando usamos tal linguagem, pensamos e nos comunicamos em termos do que há de errado com os outros para se comportarem desta ou daquela maneira […] Nossa atenção se concentra em classificar, analisar e determinar níveis de erro, em vez de fazê-lo no que nós e os outros necessitamos e não estamos obtendo”, escreveu em sua obra. 

Livro A Comunicação Não-Violenta

Os primeiros capítulos do livro trazem explicações sobre os quatro pilares da Comunicação Não-Violenta, já os outros nove irão mostrar como aplicar e se aprofundar na técnica. 

Além dessa leitura, que é essencial se você quer se desenvolver essa soft skill, é possível assistir vídeos e ouvir podcasts que falem sobre a Comunicação Não-Violenta para completar os seus estudos. 

Como é uma habilidade muito buscada no mercado de trabalho, há muitos conteúdos sobre essa técnica. 

Aplicando a Comunicação Não-Violenta 

Como foi possível ver, a Comunicação Não-Violenta é uma habilidade essencial para se relacionar com pessoas, mas principalmente, no campo profissional. 

Se você é ou está estudando para se tornar um gestor ou administrador, será um diferencial ter conhecimento e domínio da Comunicação Não-Violenta. 

Essa técnica pode ser essencial para:

  • resolver conflitos internos da empresa;
  • resolver conflitos relacionados aos colaboradores;
  • transmitir uma informação ruim/difícil;
  • se conectar com a equipe;
  • fazer com que as suas ordens sejam mais aceitas

Com tantas vantagens, não é de se espantar que a Comunicação Não-Violenta é uma técnica muito utilizada por políticos, porta- vozes de instituições, líderes, gestores e administradores. 

Quanto mais conectado com o outro o comunicador estiver, mais fácil será do receptor aceitar a mensagem. Outro ponto fundamental é que com essa técnica, além da comunicação, precisamos lembrar que o comunicador acaba tendo mais controle da situação que se encontra, o que é essencial para profissionais que devem administrar ou gerir pessoas e empresas. 

E então, você já conhecia a Comunicação Não-Violenta? O que mais dessa soft skill te chamou a atenção? Deixe a sua opinião nos comentários!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *


Se você deseja mudar o seu estilo de vida, está em busca de mais qualidade e novos sonhos, a Fapuga pode ajudá-lo a começar algo novo este ano.

© 2022 TODOS OS DIREITOS RESERVADOS - TERMOS DE PRIVACIDADE                        Feito pelo Grupo Puga&Nunes ❤